Arquivo da tag: Disaster Boots

Série Minha Canção Favorita, de Gorpa e Região – parte 4

Padrão

Com um pequeno atraso, cá estamos, trazendo a quarta parte da série. Agora, com depoimentos de MAX NUNES,
KELLEN VOLOCHATI, ANTONIO CARLOS KUBINSKI (TONI), KAIO MIOTTI RIBEIRO e LUKAS ALMEIDA. Um quinteto de responsa, que manja dos paranauê! Bora pro blá-blá-blá e pras músicas da semana, então!

MAX NUNES (Baixista da Desert Eagle e mais algumas centenas de bandas / organizador de eventos / entregador de água)

Música: ABRAKADABRA
Artista: BUP & ROXETIN
Bom, confesso que sou fã da banda há algum tempo, mas a música que escolhi não é a minha favorita dela, apesar de gostar muito dela e de várias outras. Acho o instrumental do grupo impecável e extremamente envolvente, as letras do João são sensacionais, mas o que me deixa mesmo impressionado é a apresentação ao vivo. O domínio de público e a presença de palco da Bup é inexplicável, principalmente a de seu front man. A escolha da música foi porque foi a primeira música que escutei da banda, o que me fez gostar e procurar saber mais sobre os caras.

KELLEN VOLOCHATI (Vocalista da Desert Eagle)

Música: I FEEL MY SOUL BLAZING
Artista: INCEPTION
Banda foda, em questão de composição, companheirismo da banda, amor ao som que curtem, sem se importar com o modismo, nao só essa música mas a banda em si é muito boa. O black metal eh muito bem representado por eles, e essa música em questão é bem marcante, com riffs bem criativos e o vocal… admiro muito o Alesandro porque eu nunca vou fazer o que ele faz hehe. Muito bom, com muito feeling. Tem que ser bom mesmo pra cantar do jeito que ele canta, sem machucar a garganta. É uma musica de músicos que eu admiro muito. Lembro do começo da banda, na mesma época que eu comecei com minha primeira banda, e de 2010 para cá (se nã)o me engano hehe), eles evoluiram muito, e prova disso é essa composição rica. Tem traços marcantes de suas influências, irreverência, técnica e sentimento … um obscuro sentimento!

ANTONIO CARLOS KUBINSKI, O TONI (Fotógrafo)

Música: HALLELUCINATE
Artista: DISASTER BOOTS
Foi a música que fez eu virar o fã número um da banda,  tem tudo que eu gosto no rock desde uma letra sensacional, que me inspira, até  os riffs marcantes que viciam.

KAIO MIOTTI RIBEIRO (Compositor)

Música: JOSÉ WYLKER
Artista: ADOC
Sem titubeios: a música José Wylker, da banda ADOC. Quando ouvi essa música, já me bateu: porra, que sacana, puta bom humor na figura de José Wylker, a suruba global, pornochanchada, galãs de meia idade, pêlos e diálogos banais em novelas das oito. Fico em dúvida às vezes se não é música em quadrinhos. São caricaturas, estereótipos esses tipos que penso que a música esculacha. Até hoje (ouvi pela primeira vez idos de 2011, 12?) fico dando risada, como agora… ah, os romances baratos do padrão telenovela… E fora os timbres do ADOC que são muito próprios, com a maneira de tocar também. Salve ADOC! Salve a tragicomédia de produtos brasileiros de exportação como a telenovela…ah, não né! José Wyl-yl-ke-eeer…

LUKAS ALMEIDA (Guitarrista da DKrauz)

Música: EMINENT
Artista: ULTRA VIOLENT
Então, há duas músicas. A primeira é Eminent, da banda Ultra Violent. Esta música significa muito pra mim e para a banda que eu tinha, o por que disso eu não sei, kkkkkk… E por outro lado ela é um dos “clássicos” do Ultra Violent e chegou a estar nos repertórios da minha banda (mas nunca chegamos à tocar). Rsrs…
A segunda banda citada será publicada na parte 6 da série.

Anúncios

Série Minha Canção Favorita, de Gorpa e Região – parte 2

Padrão

Daê, povo!

Dando sequência aos depoimentos da galera, apresentamos a segunda parte da série de artigos com depoimentos sobre as músicas mais queridas de Gorpa e região. A primeira parte foi um sucesso, muita gente acessou, os vídeos, em torno de 30 pessoas enviaram depoimentos, e esperamos aumentar esses números agora, divulgando mais 5 canções essa semana.

Como podemos conferir abaixo, a Ultra Violent recebe sua primeira citação. Temos citações também à stoner Disaster Boots (pela segunda vez), à psicodélica A Trupe do Disco Voador, à brutal Open Scars e à tradicional 350ml. É notável a dificuldade em escolher apenas uma dentre tantas excelentes músicas (sem demagogia alguma. Quem manja minimamente de música percebe que qualidade é o que não falta em nossa cena). Alguns até pediram para mandar mais de uma música. Liberado. Quem quiser citar duas ou três, tá valendo também. Até mais, se a dúvida persistir ehehe. Bora conferir?

RODRIGO KEEPER (Professor de inglês e fanático por Heavy Metal)

Música: EMINENT
Banda: ULTRA VIOLENT
Palavras: É uma música que acho perfeita, peso, melodia, refrão marcante, fica ótima ao vivo, tenho ela no meu MP3 e curto com a mesma frequência de bandas mundialmente conhecidas, como Trivium, Caliban, In Flames, etc…
ao vivo, sempre garanto um lugar na frente do palco pra curtir e cantar junto, essa música tem muita energia,
mas bem sinceramente, agora que peguei os dois últimos CDs do Guarapuava Rock City, é notável o alto nível das bandas locais. Tem muita banda e músicas que adoro escutar, estão todos de parabéns.
Clique aqui para ouvir a versão de estúdio.

RAFAEL PELETE (Baterista da Ultra Violent)

Música: VENUS IN FURS
Banda: DISASTER BOOTS

São tantas bandas fodas!! Admiro muito o trabalho da galera de nossa cidade, mais a que eu mais me surpreendi foi com a Venus In Furs, do Disaster Boots. Foi a música que eu viciei, tive que baixar no pen-drive e no celular, porque não conseguia parar de escutar! Muito boa!!

DINIZ, EL CUERVO (Vocalista e baixista da Stone Crow)

Música: CANÇÃO NADA CONVENCIONAL
Banda: A TRUPE DO DISCO VOADOR
Palavras: Uma música que eu gosto muito é a Canção Nada Convencional, escrita pela carismática Trupe Do disco Voador. Essa música é daquelas que não conseguimos deixar passar em branco nem nos concertos acústicos improvisados hahahahaha!
Clique AQUI para ouvir.

11133714_468636509956942_8181463056152211752_n

LUCAS REMES NUNES (Guitarrista da Inception e da Slug Killer)

Música: I SHIT FOR RELIGION
Banda: OPEN SCARS
Palavras: Escolho a música I Shit For Religion, dos caras do Open Scars, já que é de uma das bandas da cidade que faz um som na linha do que costumo ouvir; além de tratar de um tema polêmico, o som é violento pra caralho, as linhas de guitarra e baixo são pancada nos miolos, a batera não fica atrás, e o vocal, como dizem, parece de um urso fumante. Recomendo para quem curte brutal death metal sem frescura.
Clique aqui para ouvir a versão de estúdio.

ALEX FERRERA (vocalista da Sexplose)

Música: QUERIDA MAMÃE
Banda: 350ML
Palavras: Música com uma ótima sonoridade, refrão marcante e que traz uma coisa nova para o rock nacional. Não podemos esquecer também da ótima produção musical, dirigida por Ricardo Küster, vocalista e guitarrista da banda. O Rock nacional não está morto ele apenas espera que os vivos acordem para procurar pelo o que há de novo.

Isso aí, galera! Parte 2 concluída. Temos material para pelo menos mais 3 semanas. Portanto, quem ainda não mandou seu depoimento, mas quer participar da brincadeira, dá tempo de pensar com calma em sua música favorita! 😀

Abraço, povo!

Série Minha Canção Favorita, de Gorpa e Região – parte 1

Padrão

Saudações, galera da música!

Estamos iniciando uma série de posts aqui no Gorpa Music, que tem como objetivo mostrar as canções feitas aqui na região de Guarapuava, que o pessoal da música (músicos, fãs…) curte. Nossa ideia é colocar uns cinco depoimentos por post, e publicar semanalmente uma nova lista. Hoje, o escritor não sou eu, e sim vocês, povo musicado! 😀

Claro que a série é, de certa forma, uma brincadeira, mas também é didática no sentido de fazer com que possamos conhecer melhor o trabalho de nossos artistas. Temos uma cena forte e de grande qualidade hoje. A mídia tradicional não conspira a nosso favor, então a divulgação deve partir de nós mesmos. Com esses posts, teremos mais contato com músicas bem interessantes e que, eventualmente, desconhecíamos. Também é um termômetro interessante do que pensam nossas companheiras e companheiros de palco. A sequência dos depoimentos é por ordem de chegada. Não é alfabética, de “importância”, de amizade. É de chegada, ehe.

Mas chega de enrolação e vamos aos depoimentos!


GUILHERME ROCHA
(Armazém do Rock / vocalista e guitarrista da Ultra Violent, guitarrista da SOAD Tribute e vocalista da Emdroma)

Música: POWER PRAY
Banda: ROCK REVIVE
Palavras: Simplesmente incrível como a banda evoluiu em seu novo single. Hard Rock com muita pulsação!

MATEUS GODOI COUTINHO (Mix Tape / banda Lascívia)

Música: IN THE FOREST
Banda: FUTHÄRK
Palavras: Gosto muito das bandas de Guarapauva, tenho um carinho mais que especial pela Adoc e Satisfire, mas tenho escutado muito a In the forest da Futhärk, nunca tinha ouvido nada relacionado ao Folk Metal, mas depois da apresentação apoteótica no Maquinária Rock Field a banda ganhou meu coração.

ALESSANDRO KÜSTER (Heaven Studios / baterista da SatisFire)

Música: HALLELUCINATE
Banda: DISASTER BOOTS
Palavras: Excelente composição não linear e que não segue um padrão. Ótima melodia vocal, excelente timbre e interpretação do Roberto Scienza.O instrumental é vigoroso, criativo e dialóga com várias vertentes do Rock, principalmente o Rock Setentista e o Rock contemporâneo. Também nota-se uma grande influência do Stoner Rock que começou a ser desenvolvido nos anos 90, com bandas como “Sleep”, por exemplo.

DIENIFER HORST (vocalista e guitarrista da Marlla Singer, guitarrista da Offspring Cover e da Super Heroina)

Música: THE ROAD OF METAL
Banda: DESERT EAGLE
Palavras: Não segue tanto o meu estilo, mas eu gosto das linhas de guitarra. São auditivamente interessantes pra mim.

LUIS GUSTAVO CORDEIRO (vocalista e guitarrista da Trupe do Disco Voador, integra a equipe do blog Gorpa Music)

Música: ABRAKADABRA
Banda: BUP & ROXETIN
Palavras: Conheci Dom joãozito no fim de 2013, e junto disso a canção da qual vou falar algumas palavras. Estava voltando da aula, quando encontro meu amigo dando um rolê para espairecer as ideias. Na época não nos conhecíamos muito bem, só do nosso santo ter batido de primeira, sentia como se fossemos amigos desde sempre. No dia, depois de uns minutos de conversa no meio da rua, eu estava com um violão (tinha gravado alguns trabalhos na faculdade) e decidimos ir para praça pra mostrar um pro outro nossas composições. Foi quando me deparei com Abrakadabra, da sua então recém nascida banda Bup & Roxetin. À primeira vista, a canção me deixou boquiaberto pela quantidade de referências presentes em sua letra. Na época estava internado no ritmo do blues, então, já imaginam a minha reação. Fiz então, algumas perguntas sobre frases que considero geniais dentro da composição. Passeando pelo rock nacional e pelo misticismo, eis meu trecho preferido:

“Faz o que tu queres, que é pra não se arrepender
mandei fora o conformismo, pra não mais me aborrecer
agora meus vizinhos me chamam de bruxo imoral
que aprendi com Mr.Crowley alcançar meu nono grau”

Considero essa canção um dos clássicos guarapuavanos, é do tipo das canções que sempre toco nas rodas de violões entre amigos. Um baita som, de uma baita banda!

Planos das bandas Rock City para 2015

Padrão

Saudações

Não, esse post não trata do Rock City, o festival. Eu não estive lá, portanto, não posso falar (do que não vi). Óbvio, né? Isto posto, quero falar um pouco sobre as bandas presentes no já tradicional festival, em sua quinta edição. É um evento importante, que reúne algumas ótimas bandas da cidade. Bom para o público, que entra quase de graça (quilo de alimento como ingresso), e bom para as bandas presentes, pois participam da coletânea relacionada ao evento (embora não seja exatamente barato gravar a faixa, uma situação pitoresca onde a banda paga para tocar, mas isso é outra história. Atualizando: farei um post sobre a Heaven Studio, promotora do Rock City, a pedido do Alessandro Küster, abordando a visão deles sobre o tema. Em breve). Outro lado positivo é o incentivo ao trabalho autoral. Isso é importantíssimo em meio à overdose de bandas cover que temos por aí. Mais relevante ainda, claro, foi a arrecadação de uma tonelada e meia de alimentos, entregues à Provopar. Este é o legado mais importante, sem dúvida.

Além do tradicional Rock City, a Gorpa atual conta com o Maquinária Rock Field e o Mobiliza (esperamos que haja a segunda edição em breve), além dos eventos organizados no Serv Car (os reis da cerveja ruim), que sempre apresentam bandas bem novas. Algumas ótimas revelações, e outras, empulhações execráveis. Enfim, vale a tentativa e o amor pelo roquenrou, né? Não dá pra saber se o cara é bom de palco, se ele nunca subiu em um. Entre ovos e tomates, todos acabam vivos e bêbados, e o objetivo é esse mesmo: diversão! E novos eventos não faltam. Tivemos o Solobonight recentemente, e no domingo, 26 de abril, rola o Rock Falido (na verdade, enquanto escrevo este artigo).

Bem, mas vamos falar das bandas que passaram pela quinta edição do ROCK CITY! Aproveitando, você pode ouvir a coletânea aqui no Soundcloud.

Bem, vamos às bandas!

ROCK REVIVE

Tem previsão para lançamento de um disco em  meados de novembro. No momento, as músicas estão em processo de composição. Estúdio, só daqui alguns meses. Mas a banda acaba de lançar um vídeo clipe para a música “Power Pray”. Confira aqui.

PRIME REVENGE

Não consegui contato com a banda, mas seu primeiro EP (Shades of Pain) pode ser ouvido neste link. O novo single, Hey Man, faz parte da coletânea do V Rock City. Ótimo som. Confira aqui, que vale a pena.

NEANDERDOGS

Outra banda com quem não conversei ainda. Por enquanto, fiquem com a música selecionada para o disco do evento, aqui.

DZARMY

A banda está na ativa há 13 anos, e conta com dois discos lançados. Colocou dois singles na área nos últimos dois anos também, e está trabalhando no terceiro álbum full, que talvez venha a ser um disco conceitual (uma ideia muito interessante, diga-se). As letras estão praticamente prontas, bem como algumas melodias. O material pode ser lançado ainda esse ano, mas creio que a tendência é que fique para o primeiro semestre de 2016.

350ML

Com dois discos (e alguns singles), a banda prepara o lançamento de seu terceiro álbum. Falta finalizar a mixagem de 4 faixas apenas. O disco terá 12 músicas, e será lançado nos formatos físico e digital (iTunes, por exemplo). Deve rolar no segundo semestre. Para quem não ouviu os primeiros discos da banda, é possível conferir no Soundcloud. A música escolhida para a coletânea do festival é uma parceria com a holandesa Wick Bambix, fundadora da banda Bambix, nomeada My Alibi, um punk rock vigoroso, com guitarras marcantes e melodias grudentas. Vai por mim: coloque no volume máximo e sinta a sonzeira.

SATISFIRE

Intenções: lançamento do segundo disco full, além de um vídeo clipe. Deve rolar mais para o fim do ano (eventualmente, 2016). A banda lançou seu primeiro álbum lá em 2008, e um EP no ano passado. É uma banda de inegável criatividade musical.

FUTHÄRK

A banda é relativamente nova, e os planos são seguir fazendo shows e gravar alguns singles, até ter material suficiente para um EP. Ainda sem previsão de lançamentos (é mais provável que role algumas coisa em 2016). O show deles é muito bom, e o grupo já tem um público fiel.

ULTRA VIOLENT

Sem planos para lançamentos, no momento. A banda é figurinha carimbada no rock local, tem um público fiel, e já lançou alguns singles. Falta o disco, agora, né, Rocha? ehe

DISASTER BOOTS

A Disaster é uma banda bastante ativa, tocando com certa frequência, e é alvo de muitos elogios. Tem uma sonoridade personalíssima, um ótimo vocalista, um instrumental foda, e uma identidade própria. Das melhores de nossa cena, hoje, certamente. Com 2 singles lançados, a proposta é concluir mais 8 faixas para fechar em 10 para um disco. As gravações devem ficar para o segundo semestre. Talvez o disco não nasça ainda em 2015, mas creio que há boas chances para o primeiro semestre de 2016. Ouça aqui a song Mr. Lakeman.

D KRAUZ

Daniele Krauz Lançou o EP Insight, no ano passado, apenas em formato digital, e trabalha na composição de músicas para um disco full. Serão 12 faixas, ao estilo das que já foram lançadas. A banda é tecnicamente muito afiada, contando com ótimos músicos. As letras também serão na mesma (autoavaliação, crescimento, força e amor). A ideia é lançar ainda esse ano, em formato físico. Vamos aguardar. Acredito que se conseguir estabilizar a formação, vai longe.

THE EMPIRE RISE

Também não consegui contatar esta banda ainda, mas uma das músicas tocadas no evento, Waiting For The End, fará parte do primeiro EP da banda, a ser lançado em breve.

BAGRE VÉIO

A banda pretende lançar talvez mais duas músicas esse ano. O EP sairá quando tiver umas quatro prontas, mas não há previsão de lançamento ainda. Confira o primeiro single da banda aqui.

KINGARGOOLAS

Estava na programação, mas por compromissos firmados anteriormente, não pôde se apresentar. Porém, lança em breve seu segundo disco FULL. Além disso, já foi lançada a  coletânea “Weirdo Fervo! – Bizarre wild trash garage surf & primitive rock compilation”, que conta com songs de bandas bizarras como  O Lendário Chucrobillyman, Movie Star Trash, Horror Deluxe, Strato Feelings, Reverendo Frankenstein, Mauk e os Cadillacs Malditos, além da faixa “Fórceps Poseidon”, dos Kingargoolas. Detalhe: EM VINIL! Quem quiser adquirir, é só entrar em contato com a banda.

De momento, é isso. Atualizações em breve! Abraço, tudo de bom e mantenham a fé na estrada ehehe.

Maquinária Rock Field – Parte 1A (Sábado)

Padrão

Bom, pessoal, estamos aqui para dar uma geral no que foi o Maquinária Rock Field 2015, uma produção conjunta da banda Maquinária, da Pallco Produções e dos De1464667_578228258950652_1561738571_nad Cowboys M.C.C.

 O local da peleja foi a bela chácara Morada da Lua, no Vale do Jordão. Foram dois dias de shows. Trataremos aqui do primeiro dia, o sabadão. Estamos no verão e a tendência natural seria um delicioso fim de semana ensolarado e quente. Só que não. São Pedro não curte rock e tentou boicotar, mandando uma chuvarada antes do início dos trabalhos. Não bastasse, ainda fez um frio da porra à noite. Para tristeza do santo, nada disso tirou o ânimo da galera, que se atracou no barreiro pra curtir este que é provavelmente o grande evento underground de Gorpan City.

Teve camping, teve praça de alimentação, banheiros artesanais, belas paisagens, carro atolando e, claro, óbvio, líquido e certo, teve muito rock´n´roll! A abertura foi da banda SUDARYUM, que faz um rock mezzo progressivo1470172_673974342700589_4199145833843740815_n, abordando uma temática cristã em suas letras. Alguém comentou comigo que seria o segundo show da banda. O grupo pode ser novo, mas seus integrantes em geral já tem know-how, e o show me surpreendeu positivamente. Uma sonzeira responsa, de muita qualidade, sem um pingo de insegurança.

O set foi curto, composto pelas seguintes songs: 1 – Intro;  2 – Sudário; 3 – Cicatrizes; 4 – Te Vejo; 5 – Supremo Bem

Confira fotos na página da banda no Facebook, clicando aqui. Pelo horário, o público ainda era pequeno. Pouca gente conferiu bem de perto, mas quem viu, certamente aprovou.

A banda seguinte, VOLTZ, lá do vizinho Pinhão (PR), já subiu mandando aquele recado carinhoso ao nosso desgovernador Beto Richa. Depois, mandou seu som pop rock, ainda para poucos, mas animados apreciadores (conforme vídeo que ainda vou postar e divulgar… aguardem ehehe). O grupo tocou as seguintes músicas: Wicked Game (Him), Nada Mais (autoral), Esperando por Você (autoral), Best of You (Foo Fighters), Que País é Este (Legião Urbana), Through Glass (Stone Sour), Stay Black (Stone Cherry).

Voltz em ação no Maquinária!

Voltz em ação no Maquinária!

Segredo Ás

A banda seguinte seria a curitibana FAUNO, que se atrasou um pouco, dando lugar à SEGREDO ÁS. Esta banda é guarapuavana, e mesclou, no Maquinária, covers com músicas próprias. Foi a terceira a se apresentar, já agraciada com um público maior. O pessoal estava chegando em peso naquele momento. Posso dizer que a banda me surpreendeu bastante pela qualidade. Um excelente vocalista, e uma levada pop simplesmente fantástica. O som da banda me lembra muito Engenheiros do Hawaii. Não apenas pelo cover de Eu Que Não Amo Você, e sim pelo conjunto da obra. A música Máscaras, composição própria, segue firme na linha do grupo gaúcho. Creio que a banda seja relativamente nova, pois não consta na página que tenham algum disco lançado, mas certamente sobra competência. Confira abaixo o setlist que a Segredo Ás tocou no Maquinária, e aproveite para conhecer a música Máscaras, aqui.

1 – Protagonista (própria) 2 – Máscaras (própria) 3 – Eu que não amo você (cover Engenheiros do Hawaii) 4 – A Arte (própria) 5 – Não Pare na Pista (cover Raul Seixas) 6 – Radar (própria) 7 – Monstro (própria) 8 – Escuridão (própria).

Agora sim, banda FAUNO! Vinda de Curitiba (meus conterrâneos, portanto), essa banda é chique. Tem até site! Aparentemente em construção ainda, mas é coisa rara entre bandas mais novas. Em todo o caso, acesse aqui a página deles no Facebook. É bem completa e você pode até adquirir o EP da banda por ali. Você pode inclusive ouvir o EP, com quatro músicas, na íntegra no Youtube. O som é uma espécie de pop alternativo. É um som com uma personalidade bem definida. Curti bastante. Los Hermanos é uma influência bem óbvia, até nos vocais. No final, ainda rolou um bom cover de Seven Nation Army, da banda White Stripes. Eis o setlist: Outra Vez / Recomece / Hysteria / Cara Estranho /  Molly Chambers / Taper Jean Girl / Corona / Seven Nation Army

Fauno

Fauno

 

Capa do CD Recém Casados

Capa do CD Recém Casados

MÉDICOS DE CUBA M.D.C ! Outra banda curitibana (de Araucária, para ser mais preciso), já com disco lançado (15 dilmas apenas, e que pode ser adquirido aqui), e que nos trouxe um show extremamente irreverente, diferenciado, até teatral. Com letras muito bem sacadas e cheias de ironia, é o tipo de grupo sacana que eu acho que tem faltado em nosso rock brazuca. O vocalista é carismático e cheio de trejeitos à la Robert Plant! O canal da banda no Youtube é bem completo. Confira aqui os excelentes clips. As músicas? Ah, essas são ótimas! Eles criam boas melodias. Enfim, tem tudo, absolutamente tudo, para explodirem. O setlist foi esse: Eu te matei pra não me matar / Distúrbio / Brasileiro valeteiro / Pastel / Mais um dia / Vem no gás / Jesus de fora / Mimimi / Vagabundo / Açúcar

Daí, cansou de ler? Não? Ótimo, porque ainda tem muito mais eheheh.

1044408_140016106202395_2059669167_nDepois dos médicos cubanos, foi a vez da grande explosão guarapuavana entrar na avenida! A SEXPLOSE, banda das antigas, que nos últimos anos vem investindo em composições próprias. O show que eu vi no Maquinária foi simplesmente sensacional! Muito intenso, rápido e pesado, fez a galera pular igual pulga! A banda tem uma dinâmica muito boa e excelente domínio de palco. Clique aqui para assistir alguns vídeos da banda no Youtube. Quando os caras mandaram “Esporrei na Manivela”, clássico romântico (O delegado tinha cara de viado e me mandou tomar no cu / Tomei no cu, mas tomei no cu errado) da seminal banda Raimundos, achei que o povo ia se atolar no barro, de tanto que pulou. Foi do caralho! Setlist da galera: 01-Ninar (composição própria)/ 02-Rapante / 03-Maluka (própria)/ 04-Killing in the Name / 05-Esporrei na manivela / 06-O que é isso? (própria).

Disaster BootsA próxima banda a se apropriar do palco é a guarapuavana DISASTER BOOTS. Eu conhecia de vídeos, mas não tinha conferido ao vivo. O que posso dizer é que… putaqueopariu!!! Altamente lisérgica a sonzeira. Viagem total. Abdução! As letras completamente esquizofrênicas (em inglês). Uma delas trata de um curioso gato espacial assassino.. Os caras mandaram bem demais no palco. Não estava lá e ficou curioso? Ouça algumas composições próprias no Soundcloud da banda aqui. Ainda rolaram uns covers maravilhosos de Black Sabbath e Janis (eu, como fã de Sabbath, aprovei). Enfim, os caras tocam muito, e o vocal é fantástico. Setlist do show: Chinatown / Hallelucinate / Space Cat / Mr. Lakeman / Venus in Furs / The Devil Blues / Mercedes Benz (Janis Joplin) / Mi-Mind / Fairies Wear Boots+Black Sabbath (Black Sabbath). Com 7 composições próprias, eu diria que já dá para esperar um álbum dos caras…

Corja Putre

Corja Putre

Depois da Disaster, tivemos mais uma banda curitibana, CORJA PUTRE, bem levinha, som ambiente, só faltaram jogar o palco no lago. À medida que a noite chegava, a sonzeira foi ficando mesmo mais pesada. Os sons extremos preencheriam as horas seguintes, para desespero absoluto dos vizinhos da chácara! A Corja tem uma levada hardcore/crossover, é uma banda das antigas, e tem alguns vídeos em seu canal no Youtube. Acesse aqui para conferir. Parece-me que ainda não há EP ou disco lançado. O setlist da noite foi o seguinte: Crimes / Tafofobia (não sabe o que significa tafofobia? Eu também não sabia, mas o google sabe: é o medo de ser enterrado vivo) / Sistema / Degeneração / Boçal / Povo / Nunca é… / Estrangulamento / Sem salvação.

Esta é a primeira parte da parte 1 (rsrs). Já dissecamos metade das bandas. Na parte 1B, falaremos dos demais shows, que rolaram noite adentro. Fiquem ligados, e até breve! 🙂

Maquinária Rock Field

Maquinária Rock Field

COMUNICABERA

Padrão

10459149_10202765444352982_2854230139896708789_n

 

Bem, bem, aqui estamos para falar brevemente de um evento em que eu não estava presente. Não me perguntem o sentido de falar de algo que não presenciei. A questão não é essa. Enfim, o evento ocorreu, e é por isso que vou falar dele. Minha presença e nada seria a mesma coisa. Mas a presença de três putas bandas guarapuavanas é que fizeram a galera viajar na maionese. No ótimo sentido, pois o Comunicabera (cervejada da turma de Comunicação), ocorrido no sábado passado, dia 08, no Serv Car, foi palco de sons altamente psicodélicos!

Uma das bandas presentes foi a CRAZY DIAMOND. Banda tributo ao Pink Floyd, o que por si só já define a qualidade de seus músicos, a rapaziada manda bem mesmo, o que pude perceber por um dos vídeos disponíveis na Playlist divulgada pela Indústria do Rock. O vídeo apresenta a banda tocando Hey You, faixa mágica do clássico THE WALL, um dos discos mais importantes de todos os tempos, com suas letras absolutamente inspiradoras e seu conceito unificado. Disco que ganhou uma turnê megalomaníaca e um belíssimo filme, posteriormente. Confiram a performance da Crazy. Eu assisti lamentando não ter ido.

Outra banda com altas doses de psicodelismo a aterrissar por aquelas plagas foi a TRUPE DO DISCO VOADOR. O vídeo postado é um cover de Velho Ancião, da banda Nego Mantra (não conhece? Nem eu, mas saque os malucos AQUI – pronto, agora você conhece!). A Trupe me parece fazer uma espécie de blues-macumba, com um som alucinógeno. Tenho que ver um show completo pra ter uma ideia mais clara, mas me parece um grupo de um potencial monstruoso. Eu vejo esse vídeo e fico PUTO de não ter ido…

A outra banda presente no evento foi a DISASTER BOOTS. Na minha cabeça insana, a ideia vigente é que se tratava de uma bande de heavy metal tradicional. Ledo e feliz engano. Existe o peso, mas existe o swing também. Puxa mais para o som proto-metal praticado em fins de 1960, de bandas como Cream, Blue Cheer, Iron Buterfly, MC5 e outras daquele momento efervescente. Se falei besteira, desculpem. Mas foi a sensação imediata. Até o vocal me faz lembrar dos tempos em que eu me internava no quarto a ouvir esse tipo de som.

Que venham mais Comunicaberas nesse nível! 🙂

Agradecimentos ao Toni, da Toni Fotografia, pela sugestão de pauta e envio dos vídeos, e ao Victor Mateus, pelo convite para o show. Não pude aceitar por motivo de saúde, mas não faltarão oportunidades. Valeu, parceiro! 😉