Arquivo da tag: Open Scars

Série Minha Canção Favorita, de Gorpa e Região – parte 2

Padrão

Daê, povo!

Dando sequência aos depoimentos da galera, apresentamos a segunda parte da série de artigos com depoimentos sobre as músicas mais queridas de Gorpa e região. A primeira parte foi um sucesso, muita gente acessou, os vídeos, em torno de 30 pessoas enviaram depoimentos, e esperamos aumentar esses números agora, divulgando mais 5 canções essa semana.

Como podemos conferir abaixo, a Ultra Violent recebe sua primeira citação. Temos citações também à stoner Disaster Boots (pela segunda vez), à psicodélica A Trupe do Disco Voador, à brutal Open Scars e à tradicional 350ml. É notável a dificuldade em escolher apenas uma dentre tantas excelentes músicas (sem demagogia alguma. Quem manja minimamente de música percebe que qualidade é o que não falta em nossa cena). Alguns até pediram para mandar mais de uma música. Liberado. Quem quiser citar duas ou três, tá valendo também. Até mais, se a dúvida persistir ehehe. Bora conferir?

RODRIGO KEEPER (Professor de inglês e fanático por Heavy Metal)

Música: EMINENT
Banda: ULTRA VIOLENT
Palavras: É uma música que acho perfeita, peso, melodia, refrão marcante, fica ótima ao vivo, tenho ela no meu MP3 e curto com a mesma frequência de bandas mundialmente conhecidas, como Trivium, Caliban, In Flames, etc…
ao vivo, sempre garanto um lugar na frente do palco pra curtir e cantar junto, essa música tem muita energia,
mas bem sinceramente, agora que peguei os dois últimos CDs do Guarapuava Rock City, é notável o alto nível das bandas locais. Tem muita banda e músicas que adoro escutar, estão todos de parabéns.
Clique aqui para ouvir a versão de estúdio.

RAFAEL PELETE (Baterista da Ultra Violent)

Música: VENUS IN FURS
Banda: DISASTER BOOTS

São tantas bandas fodas!! Admiro muito o trabalho da galera de nossa cidade, mais a que eu mais me surpreendi foi com a Venus In Furs, do Disaster Boots. Foi a música que eu viciei, tive que baixar no pen-drive e no celular, porque não conseguia parar de escutar! Muito boa!!

DINIZ, EL CUERVO (Vocalista e baixista da Stone Crow)

Música: CANÇÃO NADA CONVENCIONAL
Banda: A TRUPE DO DISCO VOADOR
Palavras: Uma música que eu gosto muito é a Canção Nada Convencional, escrita pela carismática Trupe Do disco Voador. Essa música é daquelas que não conseguimos deixar passar em branco nem nos concertos acústicos improvisados hahahahaha!
Clique AQUI para ouvir.

11133714_468636509956942_8181463056152211752_n

LUCAS REMES NUNES (Guitarrista da Inception e da Slug Killer)

Música: I SHIT FOR RELIGION
Banda: OPEN SCARS
Palavras: Escolho a música I Shit For Religion, dos caras do Open Scars, já que é de uma das bandas da cidade que faz um som na linha do que costumo ouvir; além de tratar de um tema polêmico, o som é violento pra caralho, as linhas de guitarra e baixo são pancada nos miolos, a batera não fica atrás, e o vocal, como dizem, parece de um urso fumante. Recomendo para quem curte brutal death metal sem frescura.
Clique aqui para ouvir a versão de estúdio.

ALEX FERRERA (vocalista da Sexplose)

Música: QUERIDA MAMÃE
Banda: 350ML
Palavras: Música com uma ótima sonoridade, refrão marcante e que traz uma coisa nova para o rock nacional. Não podemos esquecer também da ótima produção musical, dirigida por Ricardo Küster, vocalista e guitarrista da banda. O Rock nacional não está morto ele apenas espera que os vivos acordem para procurar pelo o que há de novo.

Isso aí, galera! Parte 2 concluída. Temos material para pelo menos mais 3 semanas. Portanto, quem ainda não mandou seu depoimento, mas quer participar da brincadeira, dá tempo de pensar com calma em sua música favorita! 😀

Abraço, povo!

Anúncios

Maquinária Rock Field – Parte 2B (Domingo)

Padrão

Bem, pessoal, dando sequência e finalizando a série de artigos sobre o MAQUINÁRIA ROCK FIELD, adentramos o domingão, noite fechada, pau comendo solto no palco. Agora, com os pacatos cidadãos de Prudentópolis que formam a banda BLOODSUCKER! Sim, Prud tem peso, e não é pouco! O som é basicamente Thrash, e os caras chegaram a ficar em 2º lugar no Irarock, realizado em Irati, em 2014. Confesso que não sei se eles tem material próprio, mas no Maquinária eles tocaram covers, como se pode perceber na settlist abaixo:

Domination – Pantera
Roots bloody Roots – Sepultura
refuse/resist – Sepultura
Contractor – Lamb of God
Laid to Rest – Lamb of God
Territory – Sepultura (clique para acessar o vídeo feito pela Indústria do Rock). Eis a galera aí:

Bloodsucker

Bloodsucker

Para conhecê-los melhor, acesse sua página no Facebook!

A próxima banda da noite foi a guarapuavana OPEN SCARS, com seu som extremo! É um death/grindcore sem concessões. O trio lançou um EP intitulado “Holy Corruption” em 2013, que foi a base do show realizado no festival, contando com músicas autorais. Confira o setlist:

1 – Hysteria
2- Stench of Greed
3- intro + religious Death
4- I shit for Religion
5- Faith Perverse
6- Holy Corruption
7- Killing justified

Para conhecer mais:

Página no Facebook
Vídeo da música I shit for religion, by Indústria do Rock
Soundcloud
Quando o cara anuncia I shit for religion, dizendo “essa música vai para a religião, que não serve pra nada”, pensei que uma bomba cairia no local, tamanho o sacrilégio dessas palavras em território guarapuavano (Operação Sacrilégio à parte, naturalmente ahaha). Mas não, vivemos em uma democracia e consta que a banda sobreviveu ao show 😀

open scars

 

Contrastando com as bandas infernais, o frio aumentava mais e mais. Nada muito celestial, mas o calor ficava por conta do som, pura e tão somente. Recebemos uma prévia do inverno em pleno mês de fevereiro. E silverfoi com esse espírito agasalhado que conferimos a próxima banda, a ótima SILVER GRAVE, que trouxe um metal bem tradicional lá de Toledo. Formada no início desse milênio, os caras fazem um heavy metal de responsa, com ótimo instrumental e um vocalista excelente, que emula com muita competência o grande, gigantesco e colossal Rob Metal God Halford! Eu, como fã desse tipo de música, devo confessar que curti muito o show. Olha aí as songs silvergravianas que rolaram no festival:

Intro Between the Heaven and Hell
(Apresentação Alessandro)
The Silence is With Me
False Rituals
(Apresentação Evandro)
Into the Pit (cover de Fight)
Souls in Pain
(Apresentação Alessandro)
Abigail (cover de King Diamond)
Silver Grave

Links:

Página no Facebook
Vídeo no Maquinária, by Indústria do Rock (música Between the Heaven and Hell
Metal Archives

Altas horas da noite, entra a guarapuavana ULTRA VIOLENT em campo, já com torcida ganha. Foi até fácil. Os caras são manjados, populares na city e a galera quicou bastante. Rolou até uma distribuição de camisinhas por conta do Carnaval. Trepe com moderação! Ou melhor, com segurança! Apoiado, tem que alultraertar a galera mesmo, porque depois da m**** feita nem sempre há volta… o setlist mesclou músicas antigas, compostas em inglês, com as mais recentes, no idioma pátrio, na língua-mãe, a última flor do lácio… enfim, o bom e velho portuga! O trio parada-dura não deu sossego para os vizinhos e enfileirou uma porrada na orelha atrás da outra. O Rocha, estreando na profissão de papai, destilou toda a sua fúria metálica nos presentes que, agradecidos, interagiram muito bem com a banda! Eis as suaves canções que rolaram:

 

Lama de sangue
Um passo para trás
Engatilhado
Bem vindo a era da ultra violência
190
Eminent
I.N.E.R.T.E
Sick scars on me

Links ultraviolentos:

Facebook
Ultra Violent – I.N.E.R.T.E (vídeo Maquinária)
Soundcloud
Youtube

Os próximos a entrar no palco foram os mineiros (Uberlândia) do DARMA KHAOS! O frio estava mais intenso, o público cansado, parte dele já não estava mais lá, e havia, portanto, menos gente conferindo esse show. Mas eles entraram com gana e garra, e isso pôde ser claramente percebido pelos presentes. O estilo é um metal crossover, se é que se pode definir dessa forma. Tem aproximação com o nu metal da segunda metade dos anos 90 (o que sempre gera narizes torcidos por parte da turma do metal tradicional). De qualquer forma, eles tem material autoral, o vocalista é bastante carismático e a banda toca bem. Ouvindo as músicas disponíveis no site Palco MP3, percebe-se um ótimo nível de profissionalismo, o que não surpreende, considerando que estão na estrada há mais de 10 anos. O setlist apresentado foi esse:

In Shades
Unfaced
Good God
Somebody Somenone
25 Hs of Hate
Freak on a Leash
Blind
Chibata!

Links para conhecer melhor os mineiros (garanto que não se arrependerá – ouvi algumas e curti bastante)

Facebook
Youtube
Palco MP3
Vídeo no Maquinária – música 25 Horas

Darma Khaos

Darma Khaos

 

Com o horário do evento estourado e relativamente pouca gente ainda presente, tivemos a entrada da banda idealizadora do festival, a MAQUINÁRIA! O set acabou sendo curto para compensar um pouco o atraso Apenas cinco músicas (mais intro), todas autorais. A banda manda bem no palco. Sou particularmente fã do som da guitarra, o Osni manja dos paranauê! Ainda precisamos fazer uma longa matéria com essa banda, que deve ter muita história pra contar. Além de ser das mais antigas do rock gorpiano, os caras são apoiadores importantíssimos da cena da região. Saca só o setlist:

01 – Intro
02 – Rock n roll Mania
03 – Nada Será em Vão
04 – Conversa Fiada
05 – 3 de Setembro
06 – Durante Muito Tempo

Alguns links relacionados à banda:

Vídeo de Rock n Roll Mania no festival
Canal no Youtube
Facebook
Soundcloud

Formação:
Osni – Guitarra e vocal
Adriano – Baixo
Júnior – Bateria

maquinaria

Bem, com isso finalizamos a série de artigos sobre o festival MAQUINÁRIA ROCK FIELD!

Agradecimentos especiais ao Eli, da Pallco, Junior Batista, da banda Maquinária e Pallco, Toni (pelos vídeos aqui utilizados), Joãozito da Bup, Jordana (que beleza de chopp eheh), e principalmente aos amigos de longa data Cezar Max, Helby e Rodrigo Antunes, pela companhia! Abaixo, os links das cinco matérias que compõe este relato, em sua ordem correta:

Parte 1 (sábado)
Parte 2 (sábado)
Parte 3 (domingo)
Parte 4 (domingo)
Parte 5 (Torture Squad)

Open Scars

Padrão

Open Scars (algo como “cicatrizes abertas”, em bom português) é uma banda de Death Metal/Grindcore, baseada em Guarapuava. Fundada em janeiro de 2007, contava com Bruno no vocal, que deixou a banda no mesmo ano, definindo a formação que se mantém até hoje, como um Power Trio:

Heberson – vocalista e guitarra
Mauro – baixo
Andy – bateria

974712_652510831513979_1696262595_n

 

O DEATH METAL  é um subgênero do Heavy Metal, com raízes no Thrash Metal, porém mais agressivo. Diz a lenda que o termo “death metal” surgiu numa entrevista com a seminal banda Venom (que, diga-se, estará no Zombie Crew em Rio Negrinho-SC, dia 14 de dezembro). Há também uma coletânea lançada em 1984, intitulada “Death Metal”. No mesmo ano, um EP com este nome é lançado pela banda Possessed. Mas foi em 1986 que o estilo mostrou que veio para ficar. O lançamento do visceral “Reign in Blood”, do Slayer, abriu de vez as portas do inferno. Embora seja uma banda comumente considerada Thrash, o referido disco traz muitas referências que seriam largamente utilizadas pelas bandas Death a partir de então. A Open Scars também pode ser considerada Brutal Death Metal, subgênero considerado o mais extremo da música, de forma geral. Já o Grindcore é um estilo que nasceu anarco-punk, subdividindo-se em outros subgêneros com o tempo. O interessante é que o grind nasceu em São Paulo, espalhando-se posteriormente pelo mundo. Enfim, já dizia o guitarrista mexicano Santana: “tudo é música”.

As influências musicais citadas pela Open Scars são o Blues, Rock Clássico, Punk, Hardcore e Metal em todas as suas vertentes.

Em 2008, o grupo lançou um Demo com 3 faixas, o que abriu as portas para shows pela City, mas também em outras cidades, como Cascavel, Foz, Curitiba e as catarinenses Lajes e Maravilha, além do nosso querido Paraguai. O início da história foi esse, mas a banda acabou tendo um lapso de 5 anos em suas atividades – compromissos pessoais… trabalhos, estudos… enfim, a vida louca e corrida nossa de cada dia. No início de 2013, após conversas, o trio decidiu voltar à ativa (“tâmo aí na atividade!”). Uma motivação foi o questionamento de pessoas quanto ao término da banda. Sentindo que há público para o seu som, foi um pulo para o retorno. O grupo começou a ensaiar, já pensando em lançar um novo material. Com a boa fluência dos ensaios, nasce o EP “Holy Corruption” , gravado por Luiz Carlos hoffmam, da Cursed Records, que deu todo o suporte para a gravação e lançamento da bolacha.

10736118_652510438180685_1566590649_n

 

É possível comprar o EP com os integrantes do grupo. O Heberson trabalha em uma serigrafia na Rua Antônio Rebouças, 1921, no bairro Batel. O EP custa apenas 10 pilas. Dê uma chegada lá para encher o saco dele, e aproveite pra levar o disco!

A temática do EP é tipicamente death metal: contestação às religiões, na forma de se manipular, agredir e abusar das pessoas, por ganância.Eis a sequência de faixas:
1 – Intro…
2 – Religious Death
3 – Stench of Greed
4 – I Shit For Religion
5 – Faith Perverse
6 – Holy Corruption

Abaixo, cartazes de alguns dos eventos em que a banda marcou presença!

 

10711443_649946241770438_2025570713_n 10715689_649946851770377_1186531259_n 10723081_649946421770420_943020198_n 10723301_649947338436995_221541601_n 10726513_649946315103764_757227839_n  10743221_649946495103746_279538177_n 10743261_649946721770390_1568761987_n

 

10736198_649946605103735_989654155_n

 

Entre em contato com a banda nos links abaixo:

Página no Facebook
Soundcloud

 

10733540_652510531514009_1380592720_n

 

Agradecimentos ao Heberson pelo material enviado e pelas conversas! 😀